Rancho Vegan

A quarentena continua…

E sai mais um novo artigo saído “do forno” na quarentena Março-Abril 2020! Por aqui (e no resto de Portugal e mundo) continuo por casa e a cozinhar mais do que nunca! Estou a aproveitar este período para gastar todos os ingredientes esquecidos da despensa e testar receitas novas, como é o caso deste rancho vegan!

 

Receitas de um só tacho

Com tantas refeições e receitas feitas em casa todos os dias, há um problema comum em todas as casas: a loiça por lavar! Nem imagino como é em casa com crianças e mais bocas para alimentar! Mas, tenho uma solução para vocês (e não é delivery de comida!): receitas de um só tacho! Para além de serem reconfortante e pouparem gastos de energia e água,  poupam também o tempo que vão passar a tratar da loiça! Perfeito, não?

Tenho várias receitas destas no meu livro, como bolonhesa, caril, feijoada, entre outras. Mas hoje trago-vos então a minha versão do rancho vegan.

 

A minha versão do rancho vegan

Esta é uma receita MUITO fácil, perfeita para alimentar muitas bocas, gastando pouco tempo (e dinheiro!). Nesta versão não inclui nenhum enchido vegetal mas esse sabor mais intenso é trazido pelo pimentão fumado. No entanto, podem adicionar a este rancho qualquer tipo de enchido ou salsichas vegetais. Podem também omitir o pimento, no caso de não apreciarem.

 

Substituições de ingredientes

 

  • Grão de bico:  feijão vermelho, feijão manteiga, tofu, seitan
  • Pimento verde: pimento vermelho
  • Cogumelos shitake: cogumelos brancos, cogumelos marron
  • Couve coração: couve branca, couve lombarda
  • Vinho branco: pode ser substituído por água + 1 colher de sopa de sumo de limão
  • Pimentão fumado: pimentão doce, enchido vegan

rancho veganrancho veganrancho vegan

Rancho Vegan
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Porções: 4 doses
Ingredientes
  • 400gr grão de bico cozido
  • 300gr massa penne rigate (macarrão pequeno)
  • 1 cebola grande, picada
  • 1 Cenoura grande, em meias luas
  • 1 Pimento verde pequeno (ou vermelho)
  • ½ couve coração, em juliana
  • 70gr cogumelos Shitake (ou outros), fatiados
  • 150ml vinho branco (opcional, pode ser substituído por água + 1 colher de sopa de sumo de limão)
  • 6 colheres de sopa de molho ou polpa de tomate
  • 2 dentes de alho, picados
  • 2 folhas de louro
  • 2 colheres de chá de orégãos
  • 1 colher de chá de pimentão fumado (ou doce)
  • ½ colher de chá de Malagueta seca ou pitada de piri-piri
  • Pimenta preta q.b.
  • 2 colheres de chá de sal
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 900ml água *
Instruções
  1. Comece por aquecer um tacho grande com o azeite. Refogue e cebola e as folhas de louro até dourarem.
  2. Adicione os dentes de alho e deixe cozinhar durante mais alguns segundos.
  3. Acrescente a cenoura, a couve e o pimento e refogue durante mais alguns minutos. Tempere com legumes com sal, pimenta preta, malagueta, orégãos e pimentão fumado/doce.
  4. Por fim, acrescente os cogumelos, o grão de bico, a massa, o vinho, o molho/polpa de tomate e a água. Deixe cozinhar durante 13 minutos, em lume médio, mexendo 2-3 vezes durante a cozedura.
  5. Prove a massa e verifique se está cozida. Sirva imediatamente!
Notas
* Com esta quantidade de água, o rancho vai ficar com um pouco de molho, ao estilo passada de tacho. Se desejar um rancho mais seco, diminua um pouco a quantidade de água adicionada.

 

Creme de millet & maça

Receita do meu livro

Mais uma receita nova por aqui! Desta vez, partilho com vocês uma receita do meu livro “Vegetal a 100%”, onde encontram mais de 90 receitas 100% vegetais, saudáveis e saborosas. Nesta altura em que estamos quase todos por casa, decidi dar-vos este miminho e ainda produzi a receita deste creme de millet & maça em vídeo, que podem ver abaixo! Foi a minha primeira receita produzida em vídeo e, depois de alguns bons dias a editá-lo, partilho com vocês o resultado final!

 

Sobre cremes de cereais

Adoro cremes de diferentes cereais ou pseudocereias para o pequeno-almoço ou lanche. Os mais comuns são as tais conhecidas papas de aveia, mas eu gosto de variar os cereais e adicionar-lhe diferentes frutas ou mesmo legumes. Encontram aqui no blog a receita das Papas de quinoa, que também são das minhas preferidas.

 

Receita perfeita para toda a família

A receita deste creme em particular é perfeita para toda a família, mesmo para os mais pequenos (omitindo a canela)! O millet é um cereal de muito fácil digestão, cuja introdução alimentar se faz bastante cedo. A combinação do millet com a maça torna as papas naturalmente doces e o sabor faz lembrar as famosas papas Cerelac ou mesmo um leite creme!

Pessoalmente gosto deste creme triturado, tal como vem referido na receita. No entanto, este passo é opcional, e se gostam da papa com mais textura, podem deixa-la ao natural 🙂

 

Sobre Millet: um pseudocereal poderoso

Mas o que é o Millet, perguntam vocês! Millet é um pseudocereal, sem glúten, muito nutritivo e um “acalma-estômago” natural. O consumo de Millet é indicado aquando de transtornos gastro-intestinais, especialmente a combinação do Millet com abóbora cozida (combinação muito popular na macrobiótica e nos países de leste). Millet é considerado um alimento funcional por fornecer fibra dietária, proteínas, energias, minerais, vitaminas e anti-oxidantes essenciais a saúde humana (Saleh et al, 2013). Podem aprender mais sobre o millet e outros pseudocereais aqui.

 

 

Creme de millet & maça
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Pequeno-almoço
Cozinha: Vegan, sem glúten
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 150 g de millet (de preferência demolhado na véspera)
  • 1 maçã, cortada grosseiramente e sem caroços
  • Casca de ¼ de limão
  • 1 pitada de canela
  • 500 ml de água
Instruções
  1. Num tacho, coloque o millet, a maçã cortada, a raspa de limão, a canela e a água.
  2. Leve ao lume, deixe levantar fervura e cozinhe em lume brando durante 15
  3. minutos, mexendo algumas vezes para não deixar agarrar ao fundo do tacho.
  4. Uma vez cozido o millet, retire a casca de limão (ou deixe um pedaço pequeno) e passe a mistura com a varinha
  5. mágica (ou processe num liquidificador) até obter uma consistência cremosa.
  6. Coloque as papas numa taça e finalize com a granola de trigo-sarraceno (pág. 96 do livro “Vegetal a 100%).

 

 

Grão-omelete de vegetais (vegan)

Mais uma receita nova aqui no blog! As últimas foram doces, tal como o Petit Gateau Vegan. Desta vez vai ser uma salgada, desta grão-omelete de vegetais vegan, que fica pronta em poucos minutos, é versátil e fácil de preparar!

Receitas com “3 S”…

Esta receita é a combinação perfeita dos “3 S” dos quais falo muito nos workshops: saudável, saborosa e saciante. Tento sempre combinar estas características em todas as receitas, apesar de não ser fácil!

Sobre a grão-omelete…

A base desta grão-omelete é a farinha de grão de bico. É uma farinha muito proteica, sem glúten e perfeita para receitas salgadas como esta. Também podem fazer com ela Pataniscas de Curgette e Pataniscas de Legumes.

Encontram a farinha de grão em lojas de produtos naturais como o Celeiro e também na secção de produtos saudáveis de grandes supermercados, como o Jumbo e o Continente.

Pataniscas de curgete

Substituir a farinha de grão de bico?

Tal como referi anteriormente, a farinha de grão de bico é muito proteica, ao contrário das farinhas de cereais mais comuns (trigo, espelta, arroz…). É esta concertação de proteína que permite dar a liga à omelete e manter a forma dela. A farinha de tremoço irá ter efeito semelhante, pois também tem muita proteína.

As farinhas de cereais e farinhas sem glúten não vão resultar tão bem. Podem dar alguma liga mas a “omelete” não terá a mesma firmeza.

grão-omeletegrão-omeletegrão-omelete

Grão-omelete de vegetais (vegan)
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Prato principal
Cozinha: Vegano, sem glúten
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 120gr de farinha de grão de bico
  • 160ml de água
  • ¼ Cebola roxa, em meias luas (para isso, utilizei a mandona Borner V3).
  • 1 Tomate pequeno, picado
  • Mão cheia de espinafres baby
  • 1 colher de chá de Bicarbonato de sódio
  • 1 colher de chá de Vinagre de maça
  • ¼ colher de chá de curcuma em pó
  • Cebolinho q.b. (opcional)
  • Pitada de pimenta preta
  • 1 + ½ colher de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de sal
Instruções
  1. Comece por colocar numa taça grande a farinha de grão, o sal, a curcuma, e a pimenta preta. Incorpore bem.
  2. Adicione a água e 1 colher de sopa de azeite e mexa com uma vara de arames até obter uma massa homogénea.
  3. Adicione a cebola, os espinafres e o tomate e mexa bem.
  4. Por fim, acrescente o bicarbonato de sódio e por cima dele o vinagre. Incorpore a espuma formada pela junção destes ingredientes (que vai dar leveza à “omelete”).
  5. Aqueça uma frigideira anti-aderente com meia colher de sopa de azeite. Baixe o lume para médio-baixo e verta com cuidado o preparado. Tape e cozinhe durante 7 minutos.
  6. Abane a frigideira e, se a “omelete” estiver descolada do fundo da frigideira, está e abanar também, está pronta para ser virada. Vire com cuidado para um prato raso e volte a colocar na frigideira (assim).
  7. Cozinhe do segundo lado em lume baixo, durante 5 minutos.
  8. Finalize com cebolinho picado e sirva com salada!

 

Sobre este artigo: este artigo foi realizado em parceria com a Borner.  Apenas estabeleço parcerias com marcas cujos valores estão alinhados com o Dicas da Oksi e isto permite trazer-vos mais conteúdos!

Petit gateau vegan

Está a chegar o (suposto) dia mais doce e amoroso do ano…o Dia dos Namorados! Quer celebre este dia ou não, no artigo de hoje trago-vos a receita de um belo petit gateau vegan, para poder surpreender as pessoas queridas (ou à si próprio) quando quiser!

Pessoalmente, prefiro pensar no Dia dos Namorados como o Dia do Amor (ficava bem melhor, não?). Apesar de não ligar muito a este tipo de datas, reconheço que podem ser uma boa desculpa para preparar algo especial, seja com a cara-metade, família ou amigos. Com a correria dos nosso dia-a-dia, muitas vezes este tipo de datas acabam por nos motivar a arranjarmos tempo para nos focarmos no que realmente importa.

Os petit gateau…

Em relação à receita de hoje, andei a testar este petit gateau vegan nas últimas semanas (quem acompanhou pelo Instagram?).  Experimentei fazer pela primeira vez num daqueles dias em que só me apetecia algo com chocolate (mulheres, vocês entendem-me!). Desde este teste até à versão atual da receita, passei por várias tentativas, com diferentes farinhas com ou sem glúten…todas tinham um problema em comum: o recheio ficava líquido, mas muito denso.

 

O truque para o interior líquido…

Para além disso, o exterior não ficava tão bem cozinhado como queria. Optei então por fazer a receita usando o truque de colocar um quadrado de chocolate no meio no petit gateau. É uma boa maneira de garantir que o recheio fica líquido mas não farinhento, ao mesmo tempo que o exterior fica mais cozinhado. Apesar de ser um “cheat“(porque a receita tradicional não se faz com este truque), é uma boa maneira para garantir que o interior fica líquido!

petit gateau vegan

Sobre as formas para os petit gateau…

Relativamente às formas a usar, esta receita é para formas de 7 cm de diâmetro. Se usarem mais pequenas, o tempo será mais reduzido. Já testei com várias formas e não aconselho a usar formas de papel ou de silicone para muffins porque massa não coze tão bem nelas, ficando com um exterior muito mole.

Formas que resultam melhor para os Petit gateau:

  • Metal (para empadas)
  • Barro (adequadas para forno)
  • Cerâmica (adequadas para forno)

Outras receitas para o dia do amor:

petit gateau veganpetit gateau vegan

Petit gateau vegan
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Sobremesa
Cozinha: Vegano
Porções: 3-4
Ingredientes
  • 100ml de leite de soja (ou de amêndoa, coco)
  • 40gr + 4 quadrados de chocolate 70%
  • 80gr de farinha de espelta branca
  • 30gr de açúcar de coco ou mascavado
  • 20gr óleo de coco + para untar
  • 1 colher de sopa cacau em pó + para untar
  • 1 colher de sopa de linhaça moída
  • 1 colher de chá de essência de baunilha em pó (opcional)
  • ½ colher de chá de bicarbonato de sódio
  • ½ colher de chá de vinagre de maça
  • Pitada de sal
Instruções
  1. Comece por derreter 40gr de chocolate negro juntamente com o óleo de coco, em banho-maria ou no micro-ondas, verificando e remexendo de 30 em 30 seg.
  2. Entretanto, separe 3-4 quadrados de chocolate (se forem finos, o dobro) e reserve. Prepare as formas, untando-as com óleo de coco e cacau (evite usar farinha para não deixar marcas brancas).
  3. De seguida, peneire com a ajuda de um coador de rede os ingredientes sólidos: a farinha de espelta, o cacau, o açúcar de coco, o bicarbonato, o sal e a linhaça moída. Descarte os pedaços que ficarem no coador e misture tudo.
  4. Adicione ao chocolate derretido o leite vegetal, o vinagre e a essência de baunilha. Junte os líquidos aos ingredientes sólidos, misturando bem.
  5. Por fim, coloque em cada forma untada 1 colher de sopa cheia da massa. Junte o pedaço de chocolate (ou dois) no meio e adicione mais uma colher de sopa generosa da massa.
  6. Leve os petit gateau a assar ao forno pré-aquecido a 170ºC, durante 14 minutos (no caso de formas de 7cm de diâmetro). No caso de formas mais pequenas, bastam 10-12 minutos.
  7. Deixe arrefecer 2 minutos antes de desenformar. Desenforme (virando ao contrário) e, se desejar, peneire com um pouco de cacau em pó!

 

Wellington vegan

Bem…como assim, faltam 12 dias para o ano de 2019 acabar?? Como? O Natal já está à porta e, se ainda não sabem o que vão levar para a mesa festival, este Wellington Vegan vai ser a vossa solução!

Sobre o 2019…

Sei que digo sempre o mesmo todos os anos, mas este ano realmente passou a voar.  Ainda me lembro de ser Dezembro 2019 e pensar como seria o 2020…e que ano foi. Para mim, 2019 foi o ano de trabalhar em alguns projetos em “backstage” nos quais já sonhava há muitos anos. Maior parte do tempo foi dedicada a eles e ao resto do meu trabalho habitual (workshops, showcookings, consultoria…) e, por isso, andei mais desaparecida daqui. Com isso e com muita pena minha, foram poucos os artigos a entrar aqui no blog este ano mas, planeio compensar-vos nesse sentido em 2020!

O Wellington Vegan…

Adiante, vamos falar sobre a receita de hoje!  Já a faço há algum tempo, cerca de ano e meio. Foi uma das receitas das duas edições do Workshop Mesa de Natal Vegetariana, em 2018 e agora em 2019. Depois disso, decidi que estava então na altura de partilhar também por aqui!

É uma receita que se compõe bastante rápido, apesar de ter vários passos. Para o recheio, combinei a quinoa, que é um pseudo cereal com proteína completa e diferentes legumes bem aromáticos, como a cebola roxa, cenoura e cogumelos.

Sobre a massa…

Nesta receita dou sugestão da massa caseira de espelta. Fica uma espécie de massa quebrada, perfeita para este tipo de receitas. No entanto, podem usar perfeitamente massa quebrada de compra. Grande maioria delas são 100% vegetais, basta verificarem os ingredientes. No entanto, costumam ter forma redonda e não retangular, por isso aconselho a comprarem duas unidades e juntá-las para terem o tamanho desejado.

A sugestão de Natal do ano passado:

Relembro também a sugestão natalícia que dei no ano passado, o tofu marinho com broa e batata-assada. Também é um prato que adoro e que se compõe bem rápido. Podem ainda aproveitar a receita da batata assada para acompanhar o Wellington. Por último, ideia revolucionária: fazer ambas as receitas de pratos principais, o tofu com broa e o wellington vegan! Acreditem que vai valer a pena!

wellington veganwellington veganwellington vegan

Wellington vegetariano
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Prato principal
Cozinha: Vegan
Porções: 6 doses
Ingredientes
  • Para a massa:

  • 300gr de farinha de espelta branca
  • 80 ml de água
  • 80 ml de azeite
  • Pitada de sal grosso

  • Para o recheio:

  • 300gr de cogumelos marron
  • 100gr de quinoa (crua) + 200ml de água
  • 4 dentes de alho
  • 1 cebola roxa
  • 1 cenoura
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 2 colheres de sopa de amido de milho
  • 2 colheres de chá de pimentão doce fumado
  • 1 colher de chá de orégãos desidratados
  • 1 colher de chá de salsa desidratada
  • Pitada de pimenta preta
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 2 colheres de chá de sal grosso
Instruções
  1. Comece por preparar a massa. Para isso, coloque numa tigela a farinha, o sal e o azeite e misture bem. Adicione aos poucos a água até conseguir formar uma bola.
  2. Amasse durante um pouco, forme uma bola e coloque a descansar no frigorífico, enquanto prepara o recheio.
  3. Para o recheio, adicione a um tacho e quinoa com a água e leve a cozer durante 10 minutos.
  4. Entretanto, coloque num processador a cebola roxa, a cenoura e os alhos grosseiramente cortadas. Processe até obter uma consistência fina.
  5. Coloque o preparado numa frigideira aquecida com 2 colheres de azeite e comece a saltear em lume médio.
  6. Entretanto, colocar os cogumelos no processador e triture também. Adicionar os cogumelos triturados à mistura na frigideira.
  7. Tempere essa mistura com o sal, o pimentão doce, os orégãos, a salsa e a pimenta
  8. preta. Salteie durante 5 minutos.
  9. Adicione o amido de milho e a quinoa já cozida, desligue o lume deixe arrefecer.
  10. Entretanto, estenda a massa, em forma de retângulo e fazer recortar consoante a ilustração.
  11. Coloque o recheio no meio. Feche o recheio com as tiras da massa.
  12. Leve o rolo a assar ao forno pré-aquecido a 180ºC, durante 40 minutos. Deixe arrefecer ligeiramente antes de cortar.
Notas
Veja neste vídeo como enrolar o Wellington.

 

Prego vegan

Mais uma receita de babar aqui no blog, desta vez com seitan!  Esta é a minha segunda (e última) receita criada no âmbito do desafio Setembro sem Carne! Para quem não sabe em que consiste este desafio, consultem este artigo e a minha primeira receita criada!

Hoje vai a estreia de um ingrediente que nunca viram por aqui: o seitan. Ainda não tinha criado nenhuma receita com seitan aqui para o blog porque, na realidade, é muito raro comprar e consumir este ingrediente.

Sobre o seitan…

Para quem não conhece, seitan é uma proteína vegetal feita à base de glúten (proteína do trigo). Tem bastante sucesso por causa da sua alta concentração de proteína (cada 100gr têm cerca de 20-80gr de proteína) e também textura, que se assemelha um pouco à de carne. Por isso, resulta muito bem para criar versões vegetarianas dos pratos bem tradicionais, como feijoada, bifanas, bolonhesa e, claro, prego!

Muitas pessoas evitam consumir o seitan por causa da sua base: o glúten. Tem havido muitas polémicas e crenças à volta desta proteína, grande parte das quais não passam de mitos! Fora os motivos de saúde como a doença celíaca e intolerância ao glúten, ainda não está comprovado que cortar alimentos que o tenham traz benefícios para a saúde. Mas, no fim do dia, cada pessoa escolhe consumir aquilo com que se sente melhor 🙂

Como escolher um bom seitan?

Para as receitas com seitan resultarem bem, é crucial escolher bem o tipo e a marca de seitan. Prefiram sempre seitan refrigerado e que seja macio ao toque. As minhas marcas preferidas de seitan (na realidade, as únicas que gosto) são a Shambhala e a Biodharma (antiga Elichristi).

Substituições dos ingredientes nesta receita</h2

No caso de querem substituir o seitan nesta receita o resultado final não será, de todo, o mesmo. No entanto, a minha sugestão seria usarem bifes de soja previamente demolhados até ficarem tenros e escorridos (apertar bem até sair toda a água). É a melhor maneira de conseguir uma textura suculenta e ao mesmo tempo consistente sem ser com o seitan!

Em relação à fonte de acidez, prefiro esta receita feita com um pouco de vinho branco do que sumo de limão. Durante o tempo de cozimento todo o álcool evaporado e deixa apenas um toque leve de acidez. No entanto, podem usar sumo de limão para substituir o vinho!

seitanseitanseitan

Prego vegan
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Prato principal
Cozinha: Vegano
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 2 pães à escola
  • 250gr de seitan, cortado em 2-4 “bifanas”
  • 200gr de cogumelos ostra (pleurotos/setas), inteiros
  • 100ml de vinho branco (ou sumo de 1 limão)
  • ½ curgete, em rodelas
  • 2 dentes de alho, picados
  • 2 colheres de sopa de molho de soja
  • 1 colher de sopa de azeite
  • Pimenta preta q.b.
  • Sal grosso q.b.
Instruções
  1. Colocar ao lume uma grelha (das que têm “riscas”) pincelada com um pouco de azeite. Colocar a grelhas as rodelas de curgete e os cogumelos ostra durante cerca de 2 minutos de cada lado, até ficarem marcados.
  2. Temperar os legumes com um pouco de sal grosso e pimenta preta e reservar.
  3. Entretanto, aquecer uma frigideira com um pouco de azeite e saltear ligeiramente o alho picado.
  4. Adicionar o seitan e deixar dourar ligeiramente de cada lado.
  5. Adicionar o molho de soja e o vinho branco e baixar o lume. Deixar apurar até o molho evaporar, durante cerca de 5 minutos.
  6. Uma vez grelhados os legumes e pronto o seitan, montar o prego no vosso pão preferido.
  7. Devorar!
Notas
NOTA: preferir sempre seitan refrigerando, ao invés do que fica na prateleira. As minhas marcas preferidas de seitan são a Shambhala e a Biodharma (antiga Elichristi).

 

Açores (São Miguel): roteiro vegetariano/vegan

Hoje finalmente trago-vos um Guia Vegetariano dos Açores, mais propriamente da Ilha de São Miguel. Já era um post muito requisitado por vocês e, com a chegada do verão, os pedidos aumentaram. Afinal de contas, é possível comer vegetariano nos Açores?

Para quem não sabe, apesar de não ser natural dos Açores (nem de Portugal), é à minha querida ilha de São Miguel que chamo de casa. Quando vim para Portugal, vim para os Açores, e morei lá até 2012. Hoje em dia algumas visitas por ano são obrigatórias, para visitar a minha família e as lindas paisagens. Aconselho vivamente a visitarem as ilhas…sou suspeita, mas acho um destino perfeito para qualquer altura do ano. Especialmente para quem gosta da natureza, paz, sossego e atividades ao ar livre: venham aos Açores! Se estão à procura de um roteiro para poucos dias, estou neste momento a elaborar um, fiquem atentos!

Em relação ao roteiro gastronómico do artigo de hoje, fui recolhendo os locais ao longo dos anos, pela experiência própria e por indicações vossas. Por isso, não fui a todos os restaurantes/cafés referidos de seguida, pelo que não posso garantir que todos sejam excecionais…no entanto, quis incluir todas as possível opções na mesma. Se conhecerem mais espaços em São Miguel com opções de refeições vegetarianas & vegan, mandem-me para atualizar a lista 🙂

Em primeiro lugar, começo por alertar que não é muito fácil comer 100% vegetariano nos Açores. Existe apenas um restaurante vegetariano (não é vegan, apesar de ter opções) e já se vão encontrando algumas opções vegetais em espaços saudáveis e de cozinha mais tradicional. No entanto, não deixem de visitar a ilha por causa disso! A fruta e os legumes são abundantes e, para além disso, arranja-se sempre o que comer. Não é só a comida que alimenta o corpo e a alma 🙂

Dividi as sugestões deste post por seguintes categorias:

 

1 – Comer vegetariano/vegan em Ponta Delgada

 

  • Rotas Ilha Verde (o único restaurante vegetariano da ilha, com muitas opções vegan)
  • Treze (opções vegetarianas e vegan)
  • Casa da Rosa (têm sempre opção de prato de dia vegetariano, basta avisar os funcionários para adaptar para versão vegan)
  • Canto do Aljube (hambúrguer vegan e mais alguns petiscos)
  • Sabores – Local Food (Mercado da Graça, sumos, batidos e sandes vegan)
  • Café Mascote (não têm nada vegan no menu, no entanto, fazem um prato 100% vegetal a pedido)
  • Intz48 (espaço especializado em café com alguns petiscos vegan, como tosta de abacate e sopas)
  • Lan’s Pizzeria, exotic food e vegetarian (caril e um outro prato vegan)
  • A tasca (alguns pratos vegetarianos estilo tapas)
  • Suplexio (2 hambúrgueres vegetarianos e 1 vegan)
  • Louvre Michaelense (opções vegetarianas e vegan de refeições ligeiras; chás muito bons)
  • Quinta dos Açores (restaurante regional com vertente saudável na periferia de Ponta Delgada. Várias opções vegetarianas que podem ser adoptadas para vegan a pedido)
  • Wok to Walk (centro comercial Parque Atlântico)
  • Restaurante Chinês o Cantão (opções vegetarianas e vegan)

comer vegetariano açores

2 – Comer vegetariano/vegan fora de Ponta Delgada

 

  • Casa de Chá Pés Verdes – São Roque (todas as neste espaço são vegan – alguns petiscos e opções doces).
  • Quinta dos Sabores – Rabo de Peixe (espaço muito agradável com
  • opções vegetarianas e vegan).
  • Tukátulá Bar – Ribeira Grande (algumas opções vegan, como crepe de legumes e massa com legumes).
  • Caldeiras & Vulcões – Furnas (Cozido das Furnas vegan por encomenda e massa com legumes sempre disponível)
  • Pizzaria O Sole Mio – Ginetes (dizem que são as melhores pizzas da ilha, os donos são italianos; para opção vegan, basta pedir pizza de vegetais sem queijo).
  • À Terra – Furnas (restaurante de algum requinte das furnas, com algumas opções vegetarianas e vegan a pedido).

comer vegetariano açores

3 – Lojas veg

    • Mercado da Graça – Ponta Delgada (é o principal mercado de frescos da ilha e considero uma visita obrigatória. Podem abastecer de frutas e legumes, frutos secos, sementes, entre outros).
    • Bioforma (na Rua do Castilho e no centro comercial Parque Atlântico)
    • Continente Parque Atlântico (é o único supermercado que tem tofu refrigerado)
    • Mercado das Ervas

4 – Outras dicas e sugestões

Aplicação Happy Cow

Esta aplicação é uma espécie de TripAdvisor Vegetariano/Vegan, sendo que existem sugestões para todas as cidades! Podem ver  aqui as recomendações da aplicação para comer vegetariano nos Açores.

Ficar num Airbnb e fazer algumas refeições em casa

Poder cozinhar facilita imenso a logística, especialmente para quem é vegetariano/vegan e gosta de comer bem. Assim, podem escolher um Airbnb com cozinha (façam a reserva em qualquer cidade do mundo a partir deste link para até 41€ de desconto) e fazer algumas refeições em casa. Desta maneira, podem  preparar marmitas para levar para os longos dias de passeio 🙂

comer vegetariano açores

Em conclusão…

Espero que este artigo vos seja útil e que vos motive (e ajude) a visitar o “meu” paraíso chamado Açores! Relembro que não só de comida se alimenta o nosso corpo e a alma 🙂  No caso de conhecerem outros locais veg-friendly, enviem-me!

 

Hummus de pimento assado

Já lá vai algum tempo deste a última receita aqui no blog! A de hoje é perfeita tanto para snack salgado, como para servir de base para uma refeição principal. Podem usar nas marmitas de praia e piqueniques, que estes dias quentes tanto pedem! Esta receita fez parte dos 5 showcookings que dei aquando do evento Movimento Portugal Contra a Dor e foi altamente aprovada por todos os participantes. Por isso, aqui está ela!

Já faço este hummus há cerca de um ano e é o meu preferido de sempre…e eu já experimentei imensas outras combinações e sabores diferentes! Esta receita é perfeita para quem gosta de sabores intensos e bem marcados. Dois ingredientes dão a este hummus um sabor e aroma bem diferenciados: o pimento assado e o pimentão fumado em pó.

Utilizo sempre o pimento vermelho, e pode ser assado e grelhado. Conseguem encontrar este tipo de pimentos já prontos à venda, ou então podem fazer os vossos, sobre uma boca de fogão a gás, grelha ou forno. Qualquer que seja o modo de preparo, é importante retirar depois a pele do pimento.

Em relação ao pimentão fumado em pó, é mesmo o ingrediente secreto desta receita. Utilizo em muitos pratos e já deixei muitas pessoas fascinadas com esta especiaria, nos meus workshops! É diferente do vulgar pimentão doce – ao comprar, têm de garantir que a embalagem tem a indicação “fumado”. Por vezes encontra-se à venda em grandes superfícies na zona das especiarias e, no Porto, costumo comprar na Casa Chinesa. Se não encontrarem esta especiaria, podem usar o pimentão doce normal.

Hummus de pimento assado
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Lanche/petisco
Cozinha: Vegan, sem glúten
Porções: 6 doses
Ingredientes
  • 250gr de grão de bico cozido
  • 1 pimento assado, escorrido
  • 2 colheres de sopa de tahini
  • Sumo de ½ limão
  • 2 colheres de sopa de Azeite
  • ½ colher de chá de pimentão doce fumado
  • 1 dente de alho
  • ½ colher de chá de sal
  • Pitada de pimenta preta
Instruções
  1. Colocar num processador todos os ingredientes e processar até obter uma consistência cremosa.
  2. Se necessário, adicionar mais um fio de azeite.
  3. Servir com tostas ou palitos de legumes.
  4. Dura até 1 semana, num recipiente bem fechado no frigorífico.

 

Assado de feijoca & grelos

Já há algum tempo que não publico receitas de pratos principais, por isso hoje é o dia! Este assado é uma receita perfeita para partilhar com família ou amigos, seja a um jantar de semana, ou num dia especial.

Fiz esta receita a pensar precisamente em ingredientes simples, que se possam encontrar em qualquer loja local. Confesso que, como produtora de receitas e amante de culinária, adoro ingredientes diferentes, daqueles que só se encontram em lojas especializadas. No entanto, reconheço que nem toda as pessoas têm acesso a este tipo de produtos.

Muitas vezes perguntam-se onde os vegetarianos fazem as suas compras. E eu dou sempre a mesma resposta: “Em todo o lado!”. É possível fazer refeições 100% vegetais, saudáveis e apetitosas com ingredientes humildes e acessíveis a todos: vegetais, leguminosas, cereais. É precisamente o caso desta receita. Feita com muitos ingredientes tipicamente portugueses e sabores familiares.

O único ingrediente mais incomum desta receita são as natas vegetais. Mas, a boa notícia é que podem ser substituídas por leite vegetal (sem açúcar), molho de caju ou mesmo azeite. O objetivo é tornar o assado mais suculento, por isso todas estas opções irão servir.

Se gostam de receitas com broa como esta, experimentem também o Tofu marinho com broa & a melhor batata assada. Vão adorar ambas!

Vamos então à receita?

Assado de feijoca & grelos
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Prato principal
Cozinha: Vegano, sem glúten
Porções: 4 porções
Ingredientes
  • 300gr de feijoca cozida (podem usar feijão branco)
  • 300gr de batata (1 batata grande/2 médias), descascada e cortada em “chips”
  • 130gr de grelos, picados grosseiramente
  • 150ml de natas vegetais (usei de soja)
  • 6 dentes de alho, picados
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • Pimenta preta moída na hora q.b.
  • Sal grosso q.b.
  • Para a broa:
  • 100gr de broa de milho
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • Ramo de salsa fresca
  • 2 dentes de alho
  • Pitada de sal grosso
Instruções
  1. Numa frigideira grande ou wok, aquecer 1 colher de sopa de azeite de saltear os alhos picados, até liberarem o aroma.
  2. Adicionar os grelos e saltear durante cerca de 2 minutos, até diminuírem de volume.
  3. Entretanto, preparar a mistura da broa, colocando num processador a broa de milho, os alhos, a salsa, o azeite e temperar com um pouco de sal. Processar até ficar homogéneo.
  4. Uma vez prontos os grelos e a broa, pré-aquecer o forno a 180ºC o montar o assado.
  5. Numa travessa de forno, colocar a restante colher de sopa de azeite e dispor as chips de batata. Temperar com um pouco de sal e pimenta preta. De seguida, dispor os grelos e voltar a temperar ligeiramente.
  6. Regar a camada dos grelos com um pouco de natas vegetais e colocar a feijoca, voltando a regar com as natas. Finalizar com a camada de broa e levar a assar, a 180ºC, durante 35-40 minutos (com o tabuleiro colocado na parte de baixo do forno, para a broa não queimar).
Notas
As natas vegetais podem ser substituídas por leite vegetal (sem açúcar), molho de caju ou mesmo azeite. O objetivo é tornar o assado mais suculento, por isso todas estas opções irão servir.

 

Cacau quente vegan

Aqui no Dicas da Oksi continuamos com as receitas perfeitas para os dias frios. E quem não adora uma boa bebida quente nesta altura? Já encontram a receita do Leite Dourado aqui no site, que adoro e que ajuda a manter afastadas as constipações.

Desta vez, trago-vos uma receita mais gulosa: o melhor cacau quente vegan. Esta foi mais uma receita que preparei noshowcooking no evento El Mag da revista Saber Viver, em Lisboa no passado dia 11 de Novembro de 2018. As papas de quinoa também fizeram parte do programa e já partilhei a receita aqui.

Umas deliciosas papas de quinoa e cacau quente para um pequeno-almoço especial de inverno, parece-vos bem? A verdade é que ambas as receitas são perfeitas para qualquer altura do dia!

Para esta receita do cacau quente, podem utilizar qualquer leite vegetal. Pessoalmente, acho que fica com agradável com leite vegetal de amêndoa ou leite vegetal de coco. Em relação ado adoçante, tenho adorado usar o xarope de tâmaras. No entanto, podem substituir por qualquer adoçante líquido ou algum sólido que dissolva bem (o açúcar de coco, por exemplo, não dissolve muito bem).

A manteiga de cacau é o ingrediente chave da receita, pois é ela que vai dar cremosidade e riqueza à bebida. Sei que não é um ingrediente muito comum, mas eu uso este que podem adquirir com 10% de desconto com o código OKSI (também encontram no site o cacau, necessário para esta receita). No entanto, se não encontrarem, podem usar óleo de coco em vez da manteiga de cacau.

Algumas receitas de cacau quente utilizam diferentes espessantes (amido de milho, araruta, entre outros…), no entanto, eu evito o seu uso. A textura ideal deste cacau é conseguida quando depois de pronto, é deixado arrefecer ligeiramente. Isto acontece porque a manteiga de cacau derrete perante temperaturas altas e volta a solidificar quando a temperatura baixa.

5.0 from 1 reviews
Cacau quente vegan
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Bebidas
Cozinha: Vegan, sem glúten
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 400 ml de leite vegetal (podem usar de coco)
  • 50gr de manteiga de cacau
  • 3 colheres de sopa de cacau puro
  • 3 colheres de sopa de xarope de tâmaras
  • Pitada de pimenta caiena em pó
Instruções
  1. – Colocar o leite e a manteiga de cacau num tacho e aquecer até a manteiga derreter completamente.
  2. – Adicionar o cacau e o xarope de tâmaras e misturar muito bem os ingredientes (podem usar uma mini vara de arames).
  3. – Quando a bebida estiver homogénea e da temperatura desejada, está pronta!

 

Papas de quinoa

Chega o frio e, com ele, muda não só a temperatura, mas também os nossos hábitos. Uma das coisas que ajusto sempre com o passar das estações é a alimentação. Durante o frio, os ingredientes da época mudam e o nosso corpo precisa também naturalmente de alimentos mais cozinhados, mais reconfortantes e quentes.

Durante muitos anos e especialmente durante as estações frias, comi papas de aveia para o pequeno-almoço. Era sempre a refeição típica em casa dos meus pais, sempre com muitos toppings de fruta. No entanto, especialmente no último ano, tenho tido uma relação de amor-ódio com a aveia.

Amo a aveia pelo seu sabor, características nutricionais e versatilidade, no entanto, o meu corpo não a aceita bem. Depois de alguns meses de experiências (como apaixonada pela nutrição adoro testar tudo em mim), percebi que era a aveia que me provocava um intenso inchaço abdominal.

Comecei então a pensar em alternativas para papas doces e lembrei-me da quinoa. Para quem não conhece, a quinoa é um pseudocereal, muito nutritivo e sem glúten sobre o qual já falei neste artigo. Tem a vantagem de ter todos os aminoácidos essenciais, mas ser leve e de fácil digestão.

Assim, comecei a fazer experiências com papas de quinoa e fiquei rendida. Alias, fiquei tão fã, que esta foi uma das receitas que fiz no showcooking no evento El Mag da revista Saber Viver, em Lisboa no passado dia 11 de Novembro de 2018. O tema foram “Receitas vegetarianas para o frio” e preparei leite de amêndoa caseiro, chocolate quente vegan e, claro, as papas de quinoa.

Durante o evento esteve um dia muito frio e chuvoso, perfeito para as receitas realizadas. Os participantes, que foram muitos, adoraram as receitas, pelo que vos trago hoje uma delas. Durante as próximas semanas irei publicar também a receita do chocolate quente vegan!

Vamos então aprender a fazer papas de quinoa?

4.0 from 1 reviews
Papas de quinoa
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Pequeno-almoço
Cozinha: Vegano, Sem glúten
Porções: 2 porções
Ingredientes
  • 100gr de quinoa crua, se possível, demolhada na véspera
  • 400ml de leite vegetal (podem usar caseiro de coco)
  • 2 raspas de limão
  • 3 colheres de sopa de xarope de tâmaras (ou açúcar de coco) - opcional
  • 1 pau de canela
  • Toppings: diospiros, phisalis, mirtlos e amêndoas
Instruções
  1. Coloque num tacho a quinoa, o leite, as raspas de limão e o pau de canela.
  2. Deixe levantar fervura e cozinhe em lume médio durante 15 minutos, mexendo constantemente.
  3. Quando estiveres cremosas, desligue e adicione o xarope de tâmaras.
  4. Coloque as papas numa taça e finalizar com os toppings desejados.
Notas
Em vez de fazer esta receita com quinoa crua, podem por usar a quinoa já cozida, sendo assim mais rápida a preparação. A quinoa simples deve ser cozida com o dobro da água e aguenta 3-4 dias no frigorífico.

 

As melhores trufas de cacau + ida ao Porto Canal

Esta é das receitas que mais vezes faço para mim própria. Adoro ter os meus snacks à mão e gosto de sejam práticos para levar na marmita. Ao longo dos anos, já fiz dezenas de versões diferentes desta receita…mas a minha preferida continua a ser a que vos trago hoje!

Há algumas semanas recebi o convite para voltar ao programa “Olá Maria” do Porto Canal. Já lá fui várias vezes preparar receitas deliciosas em direto, podem rever todos os vídeos no separados Média aqui do site.

Desta vez, resolvi então fazer estas trufas no programa. Levam apenas alguns ingredientes, são cruas e satisfazem o paladar de todos os miúdos e graúdos.

As trufas foram aprovadas no programa e recebi imensos pedidos da vossa parte para colocar a receita no site Dicas da Oksi. Por isso, deixo de seguida a minha participação no programa (cliquem na foto para verem o vídeo) e encontram a receita no final deste artigo.

A base destas trufas são tâmaras e os cajus. A combinação de fruto seco com oleaginosa torna estas trufas muito saciantes e completas a nível nutricional. Gosto de usar a pasta de tâmaras por ser mais moldável e prática, no entanto, podem usar a mesma quantidade de tâmaras sem caroço. Em relação à oleaginosa, ficam mais saborosas com cajus; no entanto, podem usar amêndoas ou nozes.

O “toque de magia” delas encontra-se na adição do cacau e das raspas dos citrinos. Normalmente usamos o sumo/miolo dos limões e laranja e descartamos a sua parte dos aromática – a casca. Esta é uma ótima maneia de aproveitar as raspas e muitas vezes também as uso para fazer infusões.

5.0 from 1 reviews
As melhores trufas de cacau
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Lanche/petisco
Cozinha: Vegan, Sem glúten
Porções: 25 trufas
Ingredientes
  • 350gr de pasta de tâmaras ou tâmaras sem caroço
  • 150gr de cajus crus
  • 3 colheres de sopa de cacau puro
  • 2 colheres de sopa de óleo de coco
  • Raspa de 1 limão
  • Raspa de 1 laranja
  • Toppings: cacau puro, coco ralado, spirulina em pó, bagas goji, sementes de papoila.
Instruções
  1. Colocar os cajus num processador de alimentos e processar até obter uma consistência relativamente fina, mas com alguns pedaços.
  2. Adicionar a pasta de tâmaras (em pedaços pequenos), o cacau, o óleo de coco e as raspas de citrinos. Voltar a processar tudo até obter a consistência de moldar (se necessário, adicionar mais um pouco de óleo de coco).
  3. Moldar as trufas com as mãos e passa-las pelos toppings desejados.
  4. Guardar num recipiente guardado no frigorífico, até 2 semanas.

 

O melhor tofu mexido

Não sei como vocês, mas eu adoro refeições práticas e universais! Daquelas que podem ser tanto pequeno-almoço, como almoço e jantar.

Nestes casos, proteínas como o tofu ajudam imenso pois são fáceis e rápidas de cozinhar e podem ser preparadas de variadas maneiras.

Para quem não sabe, o tofu é um subproduto da soja, feito com leite de soja fresco coagulado. Já fiz tofu muitas vezes em casa e o processo é bastante simples e muito semelhante ao processo da produção de queijo fresco. O processo de demolha, extração do leite de soja e a coagulação facilita a digestão da soja, pois neste processo é removida a casca e são repartidas as proteínas.

É um facto que é um produto processado. Mas, uma sopa ou um batido também são produtos processados, pois não são encontrados tal como são na natureza. Sou apologista de consumo de produtos naturais e integrais, mas, não sou extremista em relação aos produtos minimamente processados. Se é possível de fazer em casa com equipamentos básicos, o processamento não é extremo.

No blog Dicas da Oksi antigo tinha uma receita de tofu mexido que vocês adoravam, mas era mais básica do que esta. Há alguns dias, a Joana do blog Just Natural Please (que adoro!)  fez a minha receita de tofu para o rebento dela. Fiz uma sontagem no meu instagram a perguntar se vocês gostavam de ter esta receita atualizadas e, como a resposta foi positiva, aqui está ela!

Desta vez, para além de tofu, sugiro diferentes legumes que combinam na perfeição. No entanto, podem usar outros legumes (seguindo a técnica de adicionar um de cada vez) ou seguir apenas os primeiros passos, obtendo um tofu mexido simples.

Nesta receita, é usado mais uma vez um dos meus ingredientes preferidos – a curcuma. Já falei sobre os benefícios dessa raíz da receita da Sopa completa & anti-inflamatória. Neste caso, a curcuma dá uma cor dourada ao tofu, fazendo um pouco lembrar os ovos. A verdade é que o sabor não é muito semelhante, mas o aspeto e a consistências fazem lembrar os ovos mexidos.

Pessoalmente, gosto de acompanhar este tofu com uma torrada de pão de fermentação natural, com arroz integral ou algum pseudocereal. A receita é muito completa, pelo que basta acompanhar com uma fonte de hidratos de carbono.

 

O melhor tofu mexido
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Prato principal
Cozinha: Vegan, Sem glúten
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 250 gr de tofu
  • 150 de cogumelos marron (ou outros cogumelos frescos), fatiados
  • 100 de tomate cherry, cortado as metades
  • 30 gr de espinafres frescos (mão cheia)
  • ½ cebola roxa, cortada em meias luas
  • 1 colher de sopa de óleo de coco
  • ½ colher de chá de curcuma em pó
  • Pitada de mistura de 4 pimentas
  • Pitada de sal grosso marinho
Instruções
  1. Esmagar o tofu com a mão, criando pedaços uniformes.
  2. Numa frigideira antiaderente funda ou um wok, aquecer metade do óleo de coco e saltear o tofu até ficar seco dourado (cerca de 3 min).
  3. Temperar o tofu com sal grosso, mistura de 4 pimentas e curcuma e reservar.
  4. Na mesma frigideira, adicionar o restante óleo de coco e adicionar a cebola roxa. Saltear durante cerca de 2 minutos, ou até ficar dourada.
  5. Adicionar os cogumelos, temperando com um pouco de sal. Voltar a saltear até ficarem tenros, mas não demasiado moles.
  6. Adicionar o tomate cherry, misturando todos os ingredientes e aquecendo o mesmo.
  7. Por fim, adicionar os espinafres e deixar o cozinhar cerca de 1 minuto.
  8. Voltar a adicionar o tofu e envolver tudo. Servir imediatamente numa tosta ou juntamente com o cereal ou pseudocereal preferido (arroz, quinoa, millet...)

 

Panquecas vegan & sem glúten

Quem adora umas belas panquecas para um pequeno-almoço de fim-de-semana (ou outro dia qualquer!)?

Pessoalmente, prefiro as panquecas ao lanche e de manhã os meus batidos crus. Costumo fazer grandes doses de panquecas para vários dias, são um ótimo lanche para levarmos connosco para todo o lado!

Como já sabem, por aqui no Dicas da Oksi tudo é 100% vegetal. O que por si só pode ser um desafio na hora de fazer panquecas! Mas, para além disso, criei esta receita também sem glúten (e sem aveia, que muitas vezes tem vestígios de glúten) pois sei que muitos de vocês o evitam o seu consumo.

Quando procuramos substituições de farinhas sem glúten, são muito raras as vezes em que uma farinha só é suficiente para um resultado final satisfatório. Isto acontece porque os cereais com glúten, graças à esta proteína, dão um efeito de “puxa-puxa” e leveza aos pães, bolos, panquecas, etc.

Para alem disso, cereais como trigo, centeio e cevada são naturalmente ricos em proteína, dando consistência aos cozinhados. O mesmo não acontece com cereais sem glúten, por isso, para obter o efeito desejado, cada receita deve ter a sua própria combinação.

Como dou preferência a farinhas integrais e evito o uso de gomas e amidos, estas panquecas não ficam muito “altas e fofas”. Para obter umas panquecas mais ao estilo americano, é necessário usar farinhas e amidos refinados. Assim, não será uma opção tão saudável. No entanto, se gostavam que apresentasse aqui uma versão de panquecas deste género, digam nos comentários!

Esta receita rende cerca de 10 panquecas médias e elas são extremamente saborosas, saciantes e nutricionalmente completas! Usei farinha de trigo sarraceno, que é um pseudocereal rico em proteína e farina de arroz, para dar alguma leveza.

 

4.0 from 1 reviews
Panquecas vegan & sem glúten
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Pequeno-almoço
Cozinha: Vegan, Sem glúten
Porções: 10 panquecas médias
Ingredientes
  • 160 ml de leite vegetal
  • 50 gr de farinha de arroz integral
  • 50 gr de farinha de trigo sarraceno
  • 1 colher de sopa (rasa) de sementes de linhaça moídas
  • 1 colher de sopa de geleia de agave (ou outro adoçante líquido)
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1 colher de chá de vinagre de maça
  • Pitada de sal grosso marinho
  • 1 colher de sopa de óleo de coco (para untar)
Instruções
  1. Numa taça, começar por misturar a farinha de arroz, a farinha de trigo sarraceno, a linhaça moída e o sal.
  2. Adicionar o leite vegetal e a geleia de agave e voltar a misturar até obter uma consistência homogénea. Se necessário, adicionar mais um pouco de leite.
  3. Por fim, adicionar o bicarbonato de sódio e abafar o mesmo com vinagre de maça (colocar o vinagre por cima do bicarbonato)
  4. Aquecer uma frigideira ou crepeira antiaderente, com um pouco de óleo de coco.
  5. Formar as panquecas, deitando com cuidado uma colher de sopa grande da massa na frigideira.
  6. Cozinhar as panquecas em lume médio, durante cerca de 2 minutos do primeiro lado e 1 minuto do segundo lado.
  7. Servir com iogurte natural e fruta da época!