Creme de millet & maça

Receita do meu livro

Mais uma receita nova por aqui! Desta vez, partilho com vocês uma receita do meu livro “Vegetal a 100%”, onde encontram mais de 90 receitas 100% vegetais, saudáveis e saborosas. Nesta altura em que estamos quase todos por casa, decidi dar-vos este miminho e ainda produzi a receita deste creme de millet & maça em vídeo, que podem ver abaixo! Foi a minha primeira receita produzida em vídeo e, depois de alguns bons dias a editá-lo, partilho com vocês o resultado final!

 

Sobre cremes de cereais

Adoro cremes de diferentes cereais ou pseudocereias para o pequeno-almoço ou lanche. Os mais comuns são as tais conhecidas papas de aveia, mas eu gosto de variar os cereais e adicionar-lhe diferentes frutas ou mesmo legumes. Encontram aqui no blog a receita das Papas de quinoa, que também são das minhas preferidas.

 

Receita perfeita para toda a família

A receita deste creme em particular é perfeita para toda a família, mesmo para os mais pequenos (omitindo a canela)! O millet é um cereal de muito fácil digestão, cuja introdução alimentar se faz bastante cedo. A combinação do millet com a maça torna as papas naturalmente doces e o sabor faz lembrar as famosas papas Cerelac ou mesmo um leite creme!

Pessoalmente gosto deste creme triturado, tal como vem referido na receita. No entanto, este passo é opcional, e se gostam da papa com mais textura, podem deixa-la ao natural 🙂

 

Sobre Millet: um pseudocereal poderoso

Mas o que é o Millet, perguntam vocês! Millet é um pseudocereal, sem glúten, muito nutritivo e um “acalma-estômago” natural. O consumo de Millet é indicado aquando de transtornos gastro-intestinais, especialmente a combinação do Millet com abóbora cozida (combinação muito popular na macrobiótica e nos países de leste). Millet é considerado um alimento funcional por fornecer fibra dietária, proteínas, energias, minerais, vitaminas e anti-oxidantes essenciais a saúde humana (Saleh et al, 2013). Podem aprender mais sobre o millet e outros pseudocereais aqui.

 

Receita do Creme de millet & maça em vídeo:

 

Creme de millet & maça
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Pequeno-almoço
Cozinha: Vegan, sem glúten
Porções: 2 doses
Ingredientes
  • 150 g de millet (de preferência demolhado na véspera)
  • 1 maçã, cortada grosseiramente e sem caroços
  • Casca de ¼ de limão
  • 1 pitada de canela
  • 500 ml de água
Instruções
  1. Num tacho, coloque o millet, a maçã cortada, a raspa de limão, a canela e a água.
  2. Leve ao lume, deixe levantar fervura e cozinhe em lume brando durante 15
  3. minutos, mexendo algumas vezes para não deixar agarrar ao fundo do tacho.
  4. Uma vez cozido o millet, retire a casca de limão (ou deixe um pedaço pequeno) e passe a mistura com a varinha
  5. mágica (ou processe num liquidificador) até obter uma consistência cremosa.
  6. Coloque as papas numa taça e finalize com a granola de trigo-sarraceno (pág. 96 do livro “Vegetal a 100%).

 

creme millet & maçacreme millet & maça

Panquecas de espelta & mirtilos

Começamos esta semana com uma sugestão deliciosa de pequeno-almoço especial ou mesmo lanche: panquecas de espelta & mirtilos. Esta foi a receita que apresentei no programa Filhos & Cadilhos do Porto Canal, no passado dia 26 de Janeiro de 2019 (vejam aqui o vídeo). Como vocês pediram, aqui está la no blog também!

São muitas as versões de panquecas que faço, com combinações de diferentes farinhas e bebidas vegetais. No entanto, dentro do mundo das panquecas vegan, estas são as mais fofas e parecidas com as tradicionais. Já encontram a receita de Panquecas vegan & sem glúten aqui no site, no entanto, a versão com espelta é mais leve.

Para quem não conhece, a espelta é um cereal semelhante ao trigo, que contém igualmente glúten. No entanto, como a sua popularidade não é tão grande como a do trigo, não foi tão manipulado ao longo dos anos. Resulta num sabor e consistência muito semelhante as receitas com farinhas tradicionais, sendo esta a sua grande vantagem.

Nesta receita, são usados dois componentes para dar alguma leveza e consistência às panquecas. A linhaça substitui o ovo e ajuda a dar um efeito de”cola”; a combinação do bicarbonato de sódio com o vinagre cria uma espuma que “levanta” a massa, ao criar bolhas. Podem usar estes dois truques noutras receitas 100% vegetais, como crepes, bolos, etc.

Vamos então à receita?

   

Panquecas de espelta & mirtilos
 
Tempo de preparação
Tempo de cozimento
Tempo total
 
Autor:
Tipo de receita: Pequeno-almoço, Lanche
Cozinha: Vegan
Porções: 12 panquecas médias
Ingredientes
  • 100gr de farinha de espelta (branca)
  • 100gr de mirtilos
  • 170ml de leite de soja
  • 2 colheres de sopa de xarope de tâmaras (ou outro adoçante líquido)
  • 1 colher de sopa de linhaça dourada moída
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1 colher de chá de vinagre de maça
  • Pitada de sal grosso
  • Óleo de coco para cozinhar q.b.
  • Iogurte natural para decorar
Instruções
  1. Numa taça, misturar a farinha de espelta com a linhaça moída e o sal.
  2. Adicionar gradualmente o leite de soja, até obter uma consistência homogénea. Adicionar o xarope de tâmaras e voltar a misturar.
  3. Quando a massa estiver na consistência certa, adicionar o bicarbonato de sódio e abafa-lo com o vinagre de maça (deitar por cima o vinagre). Misturar.
  4. Pré-aquecer uma frigideira antiaderente ou uma crepeira com um pouco de óleo de coco.
  5. Adicionar uma colher de sopa de massa, formando as panquecas. Logo a seguir, colocar 2-3 mirtilos em cada panqueca (podem cortar a meio) e deixar cozinhar, em lume médio, durante cerca de 2 minutos.
  6. Virar as panquecas e deixar cozinhar durante mais 1 minuto. Retirar com cuidado.
  7. Servir com iogurte natural e mirtilos.
Notas
O leite de soja é o que dá melhor consistência às panquecas, no entanto, podem usar outras bebidas vegetais.

Podem omitir os mirtilos e fazer panquecas simples.

 

Pseudocereais que tens de conhecer

Quando se fala em cereais integrais, a maioria das pessoas pensa em “eu não tenho tempo para isto”. É um um facto que a maioria dos cereais integrais demora algum tempo a preparar, como é o caso do arroz, aveia, cevada e trigo. Por exemplo, um dos cereais mais populares em Portugal é o arroz, sendo que a sua versão branca demora 10 minutos a ficar pronta e a sua versão integral demora cerca de 40 minutos.

No entanto, não é este o caso de muitos cereais. Dentro da família dos cereais, existem culturas denominadas de pseudocereais – plantas que segundo o ponto de vista biológico são consideradas sementes, no entanto, na nossa cultura são consumidas como cereais integrais (McKeown et al, 2013).

É importante referir uma possível desvantagem dos pseudocereais. Na maioria não são produzidos em Portugal, sendo importados. No entanto, têm sido feitos progressos neste sentido e já é possível encontrar Quinoa de origem portuguesa, por exemplo. Assim, é importante verificar a origem ao comprar o produto.

A Quinoa é original de Peru e foi um verdadeiro ouro trazido pelos incas. Tal como os alimentos de origem animal, é uma proteína completa e é de fácil digestão. Misturas de quinoa com alguma fonte de gordura era usadas pelos incas como “bolas de guerra”, fornecendo energia para as tropas enquanto elas marchavam pelos Andes  (Small 2013).

Existem três variedades diferentes de Quinoa – branca, vermelha e preta. É possível encontrar à venda misturas dos três tipos deste pseudocereais, que são interessantes por proporcionar texturas (a Quinoa branca é a mais suave) e nutrientes ligeiramente diferentes.

Principais características da quinoa:

  • Contém todos os amino-ácidos essenciais, sendo uma proteína completa
  • Naturalmente sem glúten
  • Fonte de beta-caroteno (Graf et al, 2015)
  • Rica em magnésio
  • Fonte de fibra
  • Rica em ferro e folato

Dizem que foi graças ao trigo sarraceno que a antiga URSS ganhou a II guerra mundial. O trigo sarraceno – também conhecido por kasha(a sua versão torrada a seco), é original da Rússia e, tal como a Quinoa, é nutricionalmente completo.

É um alimento mais consumido no inverno do que no verão e pode ser usado tanto como acompanhamento, como em saladas frias e papas doces quentes (era um dos meus pratos preferidos quando era criança).

O trigo sarraceno é rico em flavonoides – fitonutrientes encontrados em produtos de origem vegetal que parecem contribuir para a promoção da saúde, nomeadamente a redução do colesterol (Kayashita et al, 1997), a regulação da hipertensão (Ma et al, 2006) e o controlo da inflamação e diabetes (Kawa et al, 2003).

Principais características nutricionais do trigo sarraceno *:

  • Contém todos os amino-ácidos essenciais, sendo uma proteína completa
  • Naturalmente sem glúten
  • Rico em magnésio e cobre
  • Fonte de fibra
  • Fonte de flavonoides

A associação mais antiga que eu tenho deste cereal parte da minha infância – dar de o comer às galinhas (na Ucrânia é mais comum como alimento para animais, do que para os humanos). A verdade é que o Millet tem as características perfeitas para todos: é nutritivo, de extremamente fácil digestão e ainda tem a capacidade de acalmar o estômago. O consumo de Millet é reforçado aquando de transtornos gastro-intestinais, especialmente a combinação do Millet com abóbora cozida (combinação muito popular na macrobiótica e nos países de leste).

Millet é considerado um alimento funcional por fornecer fibra dietária, proteínas, energias, minerais, vitaminas e anti-oxidantes essenciais a saúde humana (Saleh et al, 2013).

Principais características nutricionais do millet*:

  • Contém todos os amino-ácidos essenciais, sendo uma proteína completa
  • Naturalmente sem glúten
  • Fonte de magnésio, cobre e cálcio
  • Fonte de vitaminas do completo B (com exceção da B12)

Já conheciam estes alimentos? Costumam consumi-los? Partilhem nos comentários as vossas experiências!

Referências:

Graf, B. L., Rojas‐Silva, P., Rojo, L. E., Delatorre‐Herrera, J., Baldeón, M. E., & Raskin, I. (2015). Innovations in health value and functional food development of quinoa (Chenopodium quinoa Willd.). Comprehensive reviews in food science and food safety14(4), 431-445.

Kawa, J. M., Taylor, C. G., & Przybylski, R. (2003). Buckwheat concentrate reduces serum glucose in streptozotocin-diabetic rats. Journal of Agricultural and Food Chemistry51(25), 7287-7291.

Kayashita, J., Shimaoka, I., Nakajoh, M., Yamazaki, M., & Kato, N. (1997). Consumption of buckwheat protein lowers plasma cholesterol and raises fecal neutral sterols in cholesterol-fed rats because of its low digestibility. The Journal of Nutrition127(7), 1395-1400.

Ma, M. S., Bae, I. Y., Lee, H. G., & Yang, C. B. (2006). Purification and identification of angiotensin I-converting enzyme inhibitory peptide from buckwheat (Fagopyrum esculentum Moench). Food chemistry96(1), 36-42.

McKeown NM, Jacques PF, Seal CJ, de Vries J, Jonnalagadda SS, Clemens R, Webb D, Murphy LA, van Klinken JW, Topping D, Murray R, Degeneffe D, Marquart LF. 2013. Whole grains and health: from theory to practice – highlights of the Grains for Health Foundation’s Whole Grains Summit 2012. J Nutr 143(5):744S-58S.

Saleh, A. S., Zhang, Q., Chen, J., & Shen, Q. (2013). Millet grains: nutritional quality, processing, and potential health benefits. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety12(3), 281-295.

Small E. 2013. Quinoa—is the United Nations’ featured crop of 2013 bad for biodiversity? Biodiversity 14(3):169–79.

*  segundo a ferramenta cronometer.com